EU... Eu, eu mesmo... Eu, cheia de todos os cansaços, Quantos o mundo pode dar. — Eu... Afinal tudo, porque tudo é eu, E até as estrelas, ao que parece, Me saíram da algibeira para deslumbrar crianças... Que crianças não sei... Eu... Imperfeita? Incógnita? Divina? Não sei... Eu... Tive um passado? Sem dúvida... Tenho um presente? Sem dúvida... Terei um futuro? Sem dúvida... A vida que pare de aqui a pouco... Mas eu, eu... Eu sou eu, Eu fico eu, Eu... (Fernando Pessoa)

28 de julho de 2007

Dê-me TUDO e terás TUDO

Dê-me TUDO e terás TUDO.
Serei carrasco de seu ser...
Deixar-lhe-ei tão atordoado
em vossos próprios pensamentos,
que o que lhe restará será apenas minha doce e cruel imagem...
Alimentarei seus sonhos com as minhas sobras,
fazendo com que vejas este alimento como um banquete.
Esmagarei seus sentimentos,
transformando-os para mim,
ferindo-os, aniquilando-os.
Farei de sua vida um inferno, quente,
sombrio e tão repugnante que quando entrares em meu mundo,
perceberás que entrastes num paraíso sem fim.
Conhecerei seus pensamentos e suas vontades...
apenas para contrariar seus desejos e conhecer sua ira.
Provocarei seu ódio, seu rancor e suas mágoas,
para que assim eu conheça teu avesso,
suas entranhas mais obscuras.
Suas lágrimas verterão sangue,
já que a dor que as provocarão
virão de teu fraco coração que baterá no compasso de minhas maldades.
Tentarás, contudo, livrar-se de minha rede que cerca-lhe o corpo.
Sim, tentes, e verás que a cada movimento seu
mais eu me enfronho em teu mundo, antes teu,
agora Meu.
Ficarás disforme, não em tua aparência,
mas como massa que se molda com o desenho desejado.
Brincarei com você e serei vossa Deusa.
Rogarás inicialmente pela liberdade...
Mas estarás a caminho de uma prisão consensual
e absolutamente segura.
Serei Tua cruz,
Teu confessionário,
Teu catecismo e Teu pão.
Jorrarás teu vinho por mim e pecarás por nós.
Desejarei fazer-te muitas para mim,
aquele que me ama, a que me odeia,
a que me acompanha, a que se esconde,
a que se humilha, o que te maltrata,
mas todas absolutamente meus.
Completar-me-ás e nos acrescentaremos.
Somaremos e eu te subtrairei para multiplicarmos.
Dividiremos anseios, ansiedades e saciaremo-nos.
Dê-me tudo e terás tudo.
Ofereça-se á mim, entregue-se, permita-se,
e assim conhecerás a ti mesmo
olhando em vosso espelho e enxergando a mim:
Criadora tua.
Dificultar-lhe-ei os passos...
Prenderei vossos movimentos...
Quando preso sentir-se-a livre como pássaro e voarás alto.
Ao soltar-te serás frágil,
engaiolado sem jaulas,
encarcerado sem ferros,
aguardando o momento supremo,
onde eu pouso minhas mãos sobre meu colo,
chamando-te, ordenando-te,
e esperando que chegues,
que se aninhe,
neste colo que é teu purgatório e paraíso.
Sou Dona de teu ser.
Não sabes? Permitirei que vivas,
apenas para que morras de amor por mim.
Bela {LD}
(modificado)

Histórias de amor

Em todas as histórias de amor que são chegada e partida,
Há um cais que é despedida ou um cais que é reencontro.
Mas eu não o encontro.
Já percorri todas as cidades perguntando pelo meu cais,
Os de barcos atracados que chegam com as marés,
Ou os de comboios, quase sempre atrasados,
Que andam em linhas que param aos meus pés.
Mas não desceste de nenhum comboio
E não saíste de nenhum navio.
Talvez o lugar para onde foste seja um lugar só de ida,
E não um lugar de volta ao cais de onde se partiu.
E não haverá chegada
Só procura e partida,
A tua, que há tanto tempo te foste
A minha, que de ti ando perdida.


Encandescente

27 de julho de 2007

Marias... Marias

Possuem a estranha

mania de terna vida...

uma gente que ri quando

deve chorar...não vive,

apenas aguenta...

(Milton Nascimento)

24 de julho de 2007

Eu sou plena

Eu sou plena A estrela derradeira de meu sistema.
O início e fim de cada um desses planetas sustentados por minha existência.
Plenitude é ser uma estrela incandescente brilhando rodeada por todos esses mundos, luas e corpos.
Alimentando-os com luz e calor.
Bilhões de criaturas e plantas são sustentadas pela minha simples existência.
Esses seres precisam de mim, adaptam-se a mim, nutrem-se e são guiados por mim.
Por um momento tente imaginar essa sensação.

Plena.

O silêncio inicial dessa matéria negra onde flutuo.
Depois o som explosivo da combustão de meu corpo.
Devorando-se como um leão de fogo.
A luz, o fugor.
E os movimentos dos demais astros, dispostos nesse redemoinho celeste.
Empurrando-me e sendo atraídos ao meu corpo.
Eu sou plena.
Eu sou tudo.
Eu sou Deus.
Eu...
Eu sou viva.
Fato que inevitavelmente irá me conduzir a morte.
E nesse momento fatal serei igualmente plena.
Completa.
Estarei em meu lugar, existindo no que devo existir.
Fazendo o que devo fazer.
O que nasci para fazer.

Em minha morte, irei ampliar-me e destruirei planetas inteiros.

Muitos deles não mais vivos, áridos.

Desertos de gelo que irão ferver diante de minha passagem.

Outros, entre esses planetas, terão vida.

Minhas vidas... e elas serão ceifadas, deixando como última lembrança o zunido referente a centenas de milhões de gritos, rugidos, preces e chiados ecoando em uníssono.

Engolirei todos esses mundos.

Eles irão me fornecer força para meu ultimo ato.

Mi§§ Evil

21 de julho de 2007

Ele

Ele era diferente, talvez levasse consigo, um daqueles nomes que o povo inventa para colocar rótulos em nossas testas. Melhor dizendo, era apenas ele em estado bruto, original, carregado de ricos e exóticos pensamentos, onde habitava o oculto. Nele, musas presentes, cativas pelo fascínio e submissão da existência dos prazeres do corpo. Pintava com fortes cores, desejos reservados em pergaminhos, fabricados por antigas dores, revelando a beleza emergente de negras rosas. Como um artesão que se mutila, para sentir a intensidade das cores que timidamente se escondem nesse cenário pessoal.
Casti - Teias 2005

18 de julho de 2007

Gostoso muito gostoso!!!!

Modo de Amar II


Pôr-me-ás de borco,
assim inclinada...
a nuca a descoberto,
o corpo em movimento...

a testa a tocar a almofada,
que os cabelos afloram,
tempo a tempo...

Pôr-me-ás de borco;
Digo:
ajoelhada...

as pernas longas
firmadas no lençol...
e não há nada, meu amor,
já nada, que não façamos como quem consome...

(Pôr-me-ás de borco,
assim inclinada...
os meus seios pendentes
nas tuas mãos fechadas.)


Maria Teresa Horta


Modo de Amar I


Lambe-me os seios
desmancha-me a loucura
Usa-me as coxas

devasta-me o umbigo
Abre-me as pernas

põe-nas nos teus ombros
E lentamente faz o que te digo…


Maria Teresa Horta








SM

Clarice LispectorSADOMASOQUISMO É UM JÔGO LÚDICO, QUE ACONTECE POR TEMPO DETERMINADO,ENTRE PESSOAS QUE COMPARTILHAM OS MESMOS FETICHES,
NO QUAL SE PERMITEM SAIR DE "SI" PRÓPRIAS, SEM NENHUM TIPO DE CENSURA.

By manDONNA





Quando se acha

Quando se acha.


Minhas paixões sempre foram longas, destas que duram anos......Tão longas que quase tenho a impressão que passei a vida inteira apaixonada embora elas sejam poucas, espassadas, duradouradouras...
Só que me toquei que todas foram aos vinte....Ou antes....Pensava até estar cansada de me apaixonar.Não pq me apaixono a toda hora, mas pq são intensas..
Sou novata nos quarenta...Um ano depois para me sentir "em casa". rs
Casa nova.Quero trocar cortinas, quem sabe quebrar e mudar o lugar das janelas.Minhas dores pertencem a mim somente, não estou nem ai se não deram certo para os outros..,Para mim deram certinho.... Cada qual em seu qual. Era o momento...
Agora estou aqui quarentinha, com jeito de menina que precisa virar mulher....De qualquer jeito...
Eu aceito.
Sem medo.
Não rejeito...
Venha.....abane as mãos para mim do lado de lá da calçada, que eu quero...
Vem que não tenho medo, de dores e nada disto, vivo na intensidade de mim mesma meus "eus" e é isto aí...Aceito topores e lábios escondidos em mim...
Entrelaça seus dedos nos meus, vem que eu topo.
Vem que quero saber como é se apaixonar quando se acha que nunca mais......E depois nunca mais....E depois nunca mais...
by nandaevc

À Rainha Victoria Catharina


Por você

Por você eu dançaria tango no teto
Eu limparia os trilhos do metrô
Eu iria a pé do Rio a Salvador
Eu aceitaria a vida como ela é
Viajaria à prazo pro inferno
Eu tomaria banho gelado no inverno
Por você eu deixaria de beber
Por você eu ficaria rico num mês
Eu dormiria de meia pra virar burguês
Eu mudaria até o meu nome
Eu viveria em greve de fome
Desejaria todo o dia a mesma mulher
Por você, por você
Por você, por você
Por você eu conseguiria até ficar alegre
Pintaria todo o céu de vermelho
Eu teria mais herdeiros que um coelho
Eu aceitaria a vida como ela é
Viajaria à prazo pro inferno
Eu tomaria banho gelado no inverno
Eu mudaria até o meu nome
Eu viveria em greve de fome
Desejaria todo o dia a mesma mulher
Por você, por vocêPor você, por você
Eu mudaria até o meu nome
Eu viveria em greve de fome
Desejaria todo o dia a mesma mulher
Por você, por você
Por você...

Barão Vermelho

12 de julho de 2007

Definições

O Mundo seria muito melhor, se os homens assumissem que choram e as mulheres que se masturbam.


Oscar Wilde

10 de julho de 2007

Voar !!!


Não me julgues.
Não me julgues.
Não tente entender-me.
Sou como o vento
Não tenho destino.
Apenas passo...
Aproveite a brisa.
Não me prendas,
Não me possuas.
Sou como água,
Se presa, evapora.
Mate apenas tua sede.
Não tente guardar-me.
Não me aprisione.
Sou como as flores,
Colhida feneço.
Guarde-me o perfume.
Não me descreva.
Não me modifique.
Sou como um sonho,
Uma Ilusão.
Não me acompanhe,
Não tente seguir-me.
Sou como um cometa, solitário.
Apenas admire-me...
Neste momento, então,
Serei Poeta
Tua Poetisa.
Almir Capthor

7 de julho de 2007

ESCRAVO

Tudo


A Senhora quer meu desespero?
Ele é Teu.
A minha agonia também.
A minha sanidade?
A minha loucura?
Eu dou Senhora.
Antes que me mande, eu as ofereço,
me antecipo as Tuas vontades.
Ofereço tudo alegremente e desesperadamente,
porque a Tua vontade supera a minha dor!
Passo por cima dela para me devotar a Tua vontade,
na espera da Tua misericórdia!
Estou tremendo,
estou me tremendo todo!
Que opção, que escolha!
Trocar a dor pela dor!
Seja feita a Tua vontade Senhora!
Eu troco.
Obrigada por Tua misericórdia!
Obrigada por me dar o privilégio de me usar!


(Poesia anonima inscrita no II Concurso de Contos e Poesias BDSM)

5 de julho de 2007

Minha Rainha

Hino ao meu amorEu te declaro MINHA RAINHA
Minha mestra e senhora
Muito amada por mim
Por ti canto ao amor
Em ti, recito poesia
Em teu corpo busco
Os, lindos acordes
Da mais pura poesia de amor

Por ti busco a Lua
Trago o Sol para te aquecer
Cubro de lindas flores
Para teu corpo perfumar
Eu canto ao meu amor
Em lindas e suaves notas
Deste amor tão desmedido
Que vai além
Da nossa compreensão

Neste hino tão angelical
Eu te cubro de amor
Por ti respiro amor
Suspiro em cada segundo
Só quero deixar escrito
Que já não sei viver
Mais sem ti
Te Amo........

Homem Moreno

Sou má


Prazeres Perversos


O que dá asas a Minha libido

jaz espremido eu teus ais,

nas mãos atadas exprimindo o oprimido.

o dominado querendo imolar-se mais.

Meu gozo arrasta-te pelo chão

e desconhece a piedade para teu brio

é o delírio da tortura na exaustão

de teu corpo vibrante,

saciado o cio.

Sou má e me pertenço

és meu e te controlo

Escarneço de teu orgulho pretenso

e se me bens serves , concedo-te colo.

Meu gozo é quando prazeres perversos

dilaceram tua vontade no altar do suplício

para o qual caminhas feliz em teus avessos,

onde Caçadora e caça entoam infinito solísitico.



Domme Morrigan

2 de julho de 2007

Caravelas - Bahia - Brasil


Eu, Netuno, do fundo do oceano logo após emergir
Vislumbrando a praia, vejo-a naquela areia bem morna
Extasiada ! Calada, em sua busca de um novo porvir
A mulher que dança, na mais linda bailarina se torna...
Musa que ao som do mais poderoso e uivante vento
Bela odalisca lamentos interpreta, com véus, bailando
Em busca de "mim", seu Netuno, que grande portento !
E sem aperceber-me, como n'um surto, a estou amando !
O que mais me resta ?
Meu majestoso tridente, ostentando
Lembro Baco e inebriado pelo vinho, a Musa vou chamando
Caminhando em direção ao meu encontro,
no mar entrando
Ela enlevada, em lascivante paixão, encontra-me esperando..
Como o Grande Deus dos Mares, com ela trocando encantos
Convido-a para, em profundo mergulho, junto a mim, ir à ceia
E entre promessas, juras de amor, sentimentos tantos
Levo-a, às profundezas do oceano,
transformando-a em sereia.
Cdor


"Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é..." Catetano Veloso

"Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é..." Catetano Veloso

Musica em minha vida para tocar a tua!

"A vida:... uma aventura obscena de tão lúcida..." Hilda Hist

"És um dos deuses mais lindos...Tempo tempo tempo tempo..." Caetano Veloso

"SOU METAL, RAIO, RELÂMPAGO E TROVÃO..." Renato Russo

"SOU METAL, RAIO, RELÂMPAGO E TROVÃO..." Renato Russo
RAINHA VICTORIA CATHARINA

"De seguir o viajante pousou no telhado, exausta, a lua." Yeda P. Bernis

"Falo a língua dos loucos, porque não conheço a mórbida coerência dos lúcidos" Fernando Veríssimo

"O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós."